O que fazer em Foz do Iguaçu


Eu fiz uma viagem para Foz do Iguaçu com objetivo principal de ser madrinha de casamento de um grande amigo. 
A viagem já começou bacana, pois peguei o mesmo voo dos meus pais, fazia muitos anos que não voávamos juntos, então já pedimos um vinho para comemorar.

Chegando em Foz, numa quinta à noite, vimos as opções de passeios e escolhemos priorizar o dia, afinal ficaria muito puxado aproveitar o turno da noite também e o real interesse era a gente se curtir e descansar. 



Então na Sexta fomos conhecer a hidrelétrica Binacional de Itaipú, que há 33 anos gerou a primeira energia. Uma obra é gigante da engenharia que nos impressiona em cada parada. Fizermos o passeio panorâmico, infelizmente os vertedouros não estavam abertos, mas mesmo assim foi sensacional. O passeio super vale a pena, mas aconselho duas alternativas. Ou vá para almoçar no restaurante a beira do Rio Itaipú, ou vá no fim da tarde e faça o passeio de catamarã no pôr do sol. Esse ficou na imaginação, pois fomos de manhã, mas se voltar a Foz não perco por nada. 



Na volta passamos no Templo Budista. Foi super legal, pois receber energia boa, sentir o silêncio e o ambiente ajudam a relaxar a cabeça da agitação do nosso dia-a-dia.
Depois voltamos para o hotel, descansamos um pouco e começamos a nos arrumar para o casamento. Não preciso nem dizer o quanto me diverti, mas preciso mencionar que o Top da festa foi a Nona do noivo, abrindo a pista de dança e agitando até as 3 horas da manhã. Um verdadeiro exemplo de disposição e alegria e quando perguntada do segredo de tanta energia, a resposta não poderia ser melhor: "TOMO VINHO TODOS OS DIAS". Acho que estou no caminho certo.
No Sábado, a chuva nos atrapalhou um pouco, fomos para o Paraguay e naquela loucura, sujeira e multidão, não tivemos vontade de muita coisa. Por isso ficamos no Shopping Del Este, logo que cruza a Ponte da Amizade. La compramos umas coisinhas - vinho, taças, jarra de café e maquiagem. Almoçamos no restaurante que fica no último andar do mesmo shopping que além de ter wifi bom (já que não habilitei meu celular para usar no Paraguay), o café era Nespresso e a comida uma delícia. Foi um momento de paz em meio aquela confusão. Um oásis dentro do shopping.
Voltamos para o hotel. À noite pedimos uma pizza e abrimos um dos vinhos que tínhamos comprado à tarde.

video

No Domingo, mesmo nublado, era nosso último dia por isso não tinha como deixar de ir para as Cataratas. Escolhemos ir no lado brasileiro mesmo, menos radical, mas igualmente bonito. 



O lugar é sensacional. Uma grandiosidade da natureza, capaz de encantar a todos. Agora um conselho, se for em horário de almoço, coma na lanchonete da entrada, pois lá nas quedas é cheio de Quatis, (parecido com gambás) que ficam atacando as pessoas por comida. Um absurdo que a Anvisa permita  aquilo, nojento demais. A lanchonete deveria ser fechada para garantir a higiene de quem está comendo.




Na frente das cataratas tem "O Parque das Aves". Vale muito a pena, principalmente pelos pássaros coloridos e pelas Araras doidas que dão rasantes sobre as nossas cabeças. Muito legal! 



A noite fomos no restaurante Trapiche, que apesar de ter um garçom insatisfeito e não oferecer vários pratos que constam no cardápio, a comida estava fantástica. É só ter paciência e ir pedindo até achar algo que tenha. Que no meu caso foi na 4º opção.
Tomamos mais um vinho e fomos dormir, pois no dia seguinte já acabava o passeio e retornávamos para casa. 
Dica: fizemos todos os passeios com o mesmo taxista, foi como um "baba" para a gente. Saiu mais barato e muito mais confortável. Isso sem falar que fizemos nossos horários. Aconselho.

Foi uma viagem super bacana, se puder faça, seus olhos vão agradecer tanta beleza. 
Santé!

Nenhum comentário:

Postar um comentário